terça-feira, 15 de setembro de 2009

Não me procures por aí


Não me procures por aí
(desertei da habitação dos sonhos)
Vivo nas catacumbas dos xistos
Esquecida nos esconderijos
Cobertos de poeiras moribundas.

Não me procures aqui
(escondi-me numa burca)
Não tenho rosto, nem rugas, nem sonhos
Levantei voo e perdi o meu norte
Em tempestades de areias.

Não me procures
(feneci no voo improvável)
Estarei aquém de ti
No olhar das gaivotas
E nas vagas do mar.
.
Foto :- laik 170

terça-feira, 1 de setembro de 2009

há chamas adormecidas no sono dos violinos

há chamas adormecidas no sono
dos violinos.
.
gemidos tangentes transbordam os sentidos
desordenados, e uma dissimulada melancolia,
dorme encoberta em finos silêncios.
.
um dia, um incêndio
irá despertar o sono dos violinos,
numa transmutação de notas,
de alguma pauta abandonada.
.
há cinzas espalhadas no acordar
dos violinos.
.
.Foto:PabloRomano