terça-feira, 14 de maio de 2019

Quando

Quando o sol se despede
de um dia que findou
e os frutos maduros
caem desamparados
sobre a terra fecunda
eu queria saber cantar
os poemas que escrevi…

© Piedade Araújo Sol 05-05-2006 reeditado
Imagem : Adam Andrearczyk

terça-feira, 7 de maio de 2019

Não voltarei


Marcela Bolivar
Não voltarei ao local
onde a casa grande se alçava majestosa
e cheia de mistérios por desvendar.
Não voltarei jamais a ver
o monte de ruínas desamparadas
em que se transfigurou.

Tenho pena de ter deixado passar certos momentos
e que não os tenha vivido na sua plenitude
ou pelo menos, perlongado o olhar
com olhos de VER.

Não apreciar as ervas daninhas que nasciam
nas bermas da estrada
soltas e desenfreadas
e que mais tarde, algumas
até se transformavam em belas flores.

Sem nome, nem amarras a acorrentar-me
deambulo meus passos por trilhos
completamente desconhecidos para mim
e não me importo
na minha sede de querer agarrar o tempo
quero descobrir o porquê das coisas
que acontecem no meu mundo e que eu não sei
não sei nada, ou quase nada.

E vou
não tenho medo
e mesmo que tenha
vou  com medo
mas vou na mesma.

© Piedade Araújo Sol 2019-05-06

terça-feira, 30 de abril de 2019

recordação


kyle Thompson.
.e quando a noite caiu
arrumei meu sentires
deitei-me na cama
apaguei a luz
desatei as recordações
revi-me em ti
tuas mãos nas minhas
minha cabeça
pousada em teu peito
assim adormeci...

©Piedade Araújo Sol  2006-04-16
(este poema pode ser lido nos dois sentidos)

terça-feira, 23 de abril de 2019

Em cada folha branca

@joancarolphotography.
.Em cada folha branca, desenhei um rosto
Em cada desenho, escrevi uma frase

Em cada frase, inventei um poema
Em cada poema, lancei uma mensagem

Em cada mensagem, fiz uma oração
Em cada oração, procurei a paz

Encontrei a paz. Sempre numa folha branca
Em que um dia desenhei um rosto...

©Piedade Araújo Sol 2006-04-12

terça-feira, 16 de abril de 2019

Sei de um local,

no cimo de uma escarpa,
onde os líquenes enfeitam os troncos das árvores,
e  as pedras parecem ter vida,
e os pássaros tagarelem voluteando em bando,
vezes outras  passeando em meu redor.

e o mar perto do meu olhar,
em pedaços de azul  e maresia,
sobre a areia amarela,
contemplo as ondas a espalhar algodão macio.

sei de um lugar onde ninguém me ensinou a voar
e eu voo nos meus delírios, enlaçada
ao  sabor do vento descompassado e morno
quase sempre ao tombar do dia.

prometo que um dia  destes
levo-te ao cimo da escarpa  voar comigo
só tens de acordar as manhãs
e pintares o sal na pele
e o sol no olhar …
©Piedade Araújo Sol  2019-04-15
Foto: alcove (adam andrearczyk) 

terça-feira, 9 de abril de 2019

Desencontros


Sergio Mañana
. Sei que o pior dos desencontros
É o querer fugir da colisão
Seja reminiscência
Ou tão meramente algo ou ninguém
Coisa surreal, esta
Que me faz espantalho de mim
E
Dos fantasmas que sonâmbulos
Divagam pelo meu mundo
E por aí
Embebidos de demência a gotejar
Medos
Ou até e só
Sonhos em contramão
.
©Piedade Araújo Sol  2019-04-08

terça-feira, 2 de abril de 2019

Futilidades

Adam Bird
quando me esqueceste, os teus olhos assemelhavam-se a uns olhos de cão e a tua alma tinha simbioses de voos de pássaros exóticos.    não sei porque me lembro sempre da curva a esvair-se em ti e tu a esvair-se na curva da minha e da tua e da nossa vida.

o meu corpo em cima dos saltos altos.   altos.   tão altos que me faziam mais alta que tu. o vestido – encarnado – a me aprisionar os movimentos que se queriam lestos.  foi o último dia que usei saltos altos e que usei essa cor.  esqueceste-me como um dardo lançado ao acaso num dia sem hora sem estação sem mágoas.  simplesmente. esqueceste-me.   e voaste para o mundo das gaivotas que sobrevoam o mar e por vezes o rio.
.
©Piedade Araújo Sol 2011-03-15

terça-feira, 26 de março de 2019

Gratidão

Maksim Kuzin
a noite fria em tempo morno fita-me
e no seio do vento que acaricia
os plátanos da praça
eu olho como um animal furtivo
do cimo de uma escarpa.

é noite cerrada, suavemente sobre o seu silêncio

os pássaros devem dormir  na quietude
dos seus ninhos,
no aconchego da sua zona de conforto.

debaixo de mim falta-me o chão

as pernas oscilam sobre o vácuo
da cadeira de lona da varanda
lâminas de frio trespassem e arrepiam
meu corpo arrefecido pela brisa.

não chove, mas irrequieta e

desprotegida uma lágrima desliza
tropeça e cai no chão, que há pouco me faltava,
não é mágoa, é gratidão apenas
pela vida e porque meus olhos vislumbram.

no horizonte  um novo dia a nascer.

©Piedade Araújo Sol  2019-03-25

terça-feira, 19 de março de 2019

O sonho é como um poema ou não

Adam Bird
Eu tenho um sonho, e embora entres nele
ele (o sonho)  é só meu
porque tu terás os teus e também são só teus.

O  sonho é como um poema
só eu sei o seu desenrolar
não é para dar nem divulgar.

Podemos nem escrever mas não deixa de ser
o meu sonho poema
todo imbuído de sentires e utopias.

Hoje esbarrei sem querer num poema
que era um sonho que edifiquei
e nem sei como o poeta o achou.

Afinal o sorriso que transbordou foi real
não foi sonho, foi poema
foi uma janela aberta e o sol entrou.

Foi uma pedra da calçada que me sorriu
num poema irrequieto e sonhado
foi um abraço que ficou.

©Piedade Araújo Sol  2019-03-18

terça-feira, 12 de março de 2019

Amizade


johanna harmon.
Os amigos são pessoas que gostam de nós
E de quem nós gostamos

Há amigos a quem se conta tudo ou quase
outros há que não precisamos, esses
conseguem adivinhar o que nos destrói, apenas pelo olhar
ou simplesmente pelos gestos que fazemos.

Há amigos que permanecem mesmo sem estar perto
Porque quando precisamos eles
Aparecem  a destacar a sua presença
E a escutar-nos  com paciência e carinho
O que é muito importante
Tenho amigos que já nem sei onde estão
Partiram,  e a intensidade da vida
Levou-os para outros portos
Outros mares
Mas há coisas banais a quem eu os associo
E mesmo que não saiba fisicamente deles
Eles continuam meus amigos

Amizade é um sentimento profundo e bonito
É aquele gesto amigo que fica para sempre
Guardado no nosso intrínseco

 Naquele dia que julgavas que eu já dormia
Com um cuidado quase maternal
O aconchegares a roupa para um melhor repouso
Foi uma prova de amizade que me caiu tão bem

Tu não irás ler, mas eu nunca esqueci

©Piedade Araújo Sol  2019-03-11