terça-feira, 28 de junho de 2022

Constatações

 

Já não sinto o chilrear dos passarinhos à minha janela,
desertaram para outras terra, outros mares,
o gato passa o dia e a noite a dormir, só levanta o olhar e o corpo para se alimentar.
 
Lá fora a terra está seca, e estéril,
e a figueira e a macieira já secaram,
o poço está sem água.
 
Está tudo abandonado ao seu destino,
tudo árido e dolorido,
como o meu coração que em pranto se retrai.
 
©Piedade Araújo Sol 2022-06-28
Imagem : Füsun Ürkün

Etiquetas: , ,

terça-feira, 21 de junho de 2022

O sentir

O sentir,
não é uma quimera,
são apenas ___ estados de alma.
 
Esta noite ___ o sonho veio apossar-se do sono,
e acordei com a saudade entranhada,
de estar contigo a olhar o Tejo,
 
com o céu polvilhado de estrelas,
e uma brisa leve,
sobre nós.
 
O sentir,
são estes pequenos momentos,
imortalizados para sempre.

©Piedade Araújo Sol 2022-06-21
Imagem :Maria Kamaiki

Etiquetas: , ,

terça-feira, 14 de junho de 2022

surrealismo em gotículas

 

um corpo _________seara,
nas lezírias do sul ________em ondulação,
ao vento que passa_________ indolente.

.

cálido__________ sem tempo,
escorrido,
em jeito de afago .
.

sem nome ______incógnito,
a lembrar distâncias,
acertos e desacertos.

.
e nos finais de cada estação,
depois da monda,
os ventos retornam____ e tudo reiniciam.

.

.agora seara ____________ em corpo.

.
©Piedade Araújo Sol 2022-06-14

Etiquetas: , ,

terça-feira, 7 de junho de 2022

Delírios

Na tarde as árvores miram o sol
E eu olho a tarde e o sol
Que se projecta no céu
E em mim

Agradeço
Estática
De olhos semicerrados
O calor do sol
O dia claro
E este sentir
A vida
Em toda a sua plenitude.

Oiço.
Ao longe … um piano a emitir,
gemidos de prazer.

É uma quimera… eu sei..
mas é também.
Purificação…

©Piedade Araújo Sol 2022-06-06
Imagem :Nikolay Tikhomirov

Etiquetas: , ,

terça-feira, 24 de maio de 2022

Não sigas a penumbra do meu voo

Não sigas a penumbra do meu voo,
o que parece incerto afinal é a adição,
de todas as certezas,
em mim __________e em nós.

A alienada visão dos pássaros,
faz com que o voo seja sustentado,
pela aridez do vento em dia frio,
e afinal até é primavera.

Perdemos a frescura,
na juventude verde dos tempos indizíveis,
que ficaram sepultados na senda do destino,
quiçá embrulhado em memórias esquecidas.

Não sigas o meu voo,
eu vou tranquila com os pássaros.

Piedade Araújo Sol 2022-05-23
Imagem : Duong Quoc Dinh

Etiquetas: , ,

terça-feira, 17 de maio de 2022

Longevidade da ausência _______________do abraço

É o abraço
É o afago
É o beijo
É o momento.


.É do abraço que eu mais sinto saudade.________.
.

Mas todos eles andam desaparecidos por aí
pelos tempos de pandemia
em ressonâncias de guerra______ estúpida
E no rancor _______ disperso ________ pelo mundo.

-

E na falta de um abraço, e de um beijo
esperamos o regresso, deles
que tardam _______ em percalços do destino.

-

Mas com esperança
para além de tudo e todos
sei que em breve retornarão
nas asas duma Fénix.

-

Autor : © Piedade Araújo Sol 2022-05-16
Imagem :Duoc Quin Dinh

Etiquetas: , ,

terça-feira, 10 de maio de 2022

Melodia

 

De longe chegou-me uma melodia,
breve e enternecida,
tomou conta dos meus ouvidos,
quase que me cingiu .
 
E tive medo de abrir os olhos,
para não quebrar o encanto,
do sopro que a noite me trouxe,
em forma de uma canção. 

© Piedade Araújo Sol 2022-05-09
Imagem : Ilya Kisaradou

Etiquetas: , ,

terça-feira, 3 de maio de 2022

Perdeste-te?

 

Porque nos interrogamos
sobre algo que nem questionamos com medo
da resposta.

Porque é mais confortável
um fragmento de incerteza
que a própria certeza.

E ficas na ( tua) certeza
com a dúvida acomodada e
não questionável.

E a resposta que não se impõe
e a dúvida que prevalece
para todo o sempre.

© Piedade Araújo Sol 2022-05-02
Imagem : Silena Lambertini

Etiquetas: , ,

terça-feira, 26 de abril de 2022

O verbo A_Mar

 

que rota invadiu o dia, ensombrado,
e esquivo de luz onde só descortino,
o mar pincelado de azuis imprecisos.

acho que o mar faz parte do livro que não escreveste,
e onde cabiam todos os barcos dos pescadores,
que eram ________ teus de coração.

o sol entrava nos barcos e o sal também,
e eu ficava contigo no cais a vê-los partir,
e ainda hoje eu vou ver a chegada.

os barcos são outros, e o local não é o mesmo,
mas sinto que os cheiros que me invadem,
são os mesmos daquele outro tempo.

o tempo das memórias,
em que ainda nos tínhamos ______e sabíamos conjugar,
o verbo A _Mar.

©Piedade Araújo Sol 2022-04-26
Imagem :Gusti Yogiswara

Etiquetas: , ,

terça-feira, 19 de abril de 2022

Sombras...

Permaneço numa trajectória de olhares,
que não conseguem encontrar pousio.

Talvez não seja permitido olhar,
para além das sombras, impressas nas esquinas.

.Ouso, e guardo a luz mortiça,
no subterfúgio de algo, que nem sei sitiar.

Não preciso de saber
apenas e só quero restaurar a luz.

E, com determinação, demovo as sombras,
que ainda permanecem em mim.

©Piedade Araújo Sol 2022-04-17
Imagem : Anatoliy Kalugin

Etiquetas: , ,

terça-feira, 12 de abril de 2022

quando a noite cresce

 


quando a noite cresce,
eu penso no silêncio que me invade,
e registo letras, que formam palavras,
dando voz ao silêncio e às sombras,
que a noite traz em sintonia.

as minhas mãos são pássaros,
que não repousam ,
e na vertigem da noite,
aquecem apenas os ninhos,,,
feitos com arte e desvelo.

a noite cresce, e o silêncio também,
mas, não tarda muito,
a alvorada entrará de rompante,
e o poema estará na mesa,
inacabado e integralmente desnudo.

©Piedade Araújo Sol 2022-04-10
Imagem :Adam Bird

Etiquetas: , ,

terça-feira, 5 de abril de 2022

O silêncio e a lágrima no meu desenho

Caso,não tenhas acabado,teu quadro
pinta no teu silêncio,uma lágrima minha
Rogério G.V.Pereira
.

No meu silêncio _________e sem eu pressentir,
imperceptível e silente caiu uma lágrima,
no meu desenho________ainda em esquisso.

Não a colori__________ mas ela brotou ali,
qual cloreto de sódio ,
esborratando as cores delineadas.

Talvez que___________ analisando à lupa,
fosse apenas uma réstia de saudade,
saudade e nada mais que saudade.

©Piedade Araújo Sol 2022-04-04
Imagem : Mira Nedyalkova

Etiquetas: , ,

terça-feira, 29 de março de 2022

Hoje sinto o silêncio

Hoje sinto o silêncio a desenhar o tempo,
num frio que me estorva os movimentos,
pintando-os de vento e sombra.

É a primavera, que teimosa ausenta-se de mim ,
e esborrata-me o desenho,
que já nem é colorido nem cintilante.

O tempo equivocou-se,
as cores pálidas estão zangadas,
tresmalhadas no tempo.

Nos passos perdidos nas águas,
que inundam a rua revoltosas ,
curiosas e desprotegidas.

Caída do cimo da árvore,
além uma folha no chão,
moribunda , sem réstia de verde.

Já sucumbiu,
envergonhada e sem memória,
jaz reflectida na água estagnada.

O meu desenho hoje é apenas silêncio,
desnudo, a desenhar o tempo frio ,
que nem lembra que é primavera.
.

©Piedade Araújo Sol 2014-03-24
Imagem : Olga Domanova

Etiquetas: , , ,

terça-feira, 22 de março de 2022

memória do amor

talvez voltemos a falar,
das tardes que pernoitaram ______nas ,
nossas recordações,
na migração dos pássaros ,
e,
talvez eu volte a redigir,
a ternura que guardei,
como um segredo ,
que o tempo destapou,
e nele encontro o restauro,
de,
em simples palavras,
aconchegar em mim,
o que ficou para além _________do tempo.

talvez______ que,
o meu poema seja,
a memória ____________do amor.

©Piedade Araújo Sol 2022-03-14
Imagem : Inês Rehberger

Etiquetas: , ,

terça-feira, 15 de março de 2022

Cenário para um monólogo

 

O chão de madeira tosca estendida em tábuas uniformes e gastas pelo uso.

A janela que sem cortinas espreita um dia compacto e cheio de neblina, onde as gotas de chuva, escorrem cadenciadas sobre as pedras da varanda.

No parapeito existe um aquário que paradoxalmente não tem peixes, mas, apenas e só pétalas de camélias.

Ao fundo, sobre uma mesa desarranjada um vaso de terracota com flores secas, e ruídos inaudíveis sobre o rescaldo das cenas ensaiadas.

A luz ténue de um candeeiro a petróleo. Um livro aberto, mas curiosamente com as páginas em branco, que convidam a escrever.

Um dia dum mês sem tempo definido, que lembra uma estação que não é primavera, nem verão, e, ouvem-se ao longe badaladas no relógio da velha ermida.

Abre-se o pano.
Ninguém se encontra na plateia.
O auto para um sonho de um monólogo vai começar.
© Piedade Araújo Sol

Etiquetas: , ,