terça-feira, 26 de junho de 2018

Divagações

ashraful arefin

se soubesse a diferença entre a alvorada
e o escurecer
diria que a noite já abraça o mar .

mas derrapo o olhar sobre o horizonte
e no voo das gaivotas
a agigantar-se o meu olhar lasso.

as memórias renascem
em  resquícios   de sal
em aragem cortante e veloz.

e, sobre mim caem lembranças
das estórias dos barcos
que estão encalhados na praia.

©Piedade  Araújo Sol 2018/06/24

13 Comentários:

Blogger Os olhares da Gracinha! disse...

História e estórias envoltas em neblina e pensamentos que eu gostei de ler!
Bj Piedade

terça-feira, 26 junho, 2018  
Blogger Marta Vinhais disse...

E escreve-se nova história.... nova memória no horizonte...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 26 junho, 2018  
Blogger Larissa Santos disse...

Simplesmente belo:))

O meu olhar triste, reflecte no coração

Bjos
Votos de um óptima Terça-Feira

terça-feira, 26 junho, 2018  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Excelente poema! Amei! Parabéns!!


Beijos e um excelente dia!

terça-feira, 26 junho, 2018  
Blogger José Carlos Sant Anna disse...

A poesia se faz dessas erupções adormecidas...

Beijinhos, Piedade!

terça-feira, 26 junho, 2018  
Blogger Elvira Carvalho disse...

A poesia se faz presente em cada olhar, em cada lembrança.
Abraço

quarta-feira, 27 junho, 2018  
Blogger Agostinho disse...

Bom dia, amiga Piedade.
Li no teu poema a linha de fronteira
entre a areia e o mar.

Divago eu ou tu entre vagas?
Já nem sei ver os sinais
que me embaraçam o descernir
entre amarrações e cais
Nem tenho sequer a corda
que me enforca ou me liberta
O que é ficar e partir?

Beijo, amigo.

quarta-feira, 27 junho, 2018  
Blogger Tais Luso disse...

Tão bonito...e de vez em quando me pego em divagações... e deixo as horas passarem! Descanso a mente.
Um beijo, amiga! Bom restinho de semana!

quinta-feira, 28 junho, 2018  
Blogger Mar Arável disse...

Ao ritmo das marés

sábado, 30 junho, 2018  
Blogger Pedro Luso disse...

Olá, Piedade, as memórias que ficam às vezes guardadas em silêncio soltam-se ao som das marés. Belíssimo poema, amiga.
Um bom domingo,
beijo
Pedro

domingo, 01 julho, 2018  
Blogger Isa Maria disse...

lindo

segunda-feira, 02 julho, 2018  
Blogger Graça Pires disse...

Deixa seguir, ao sabor do vento, o teu barco de papel e vai com ele até onde o pensamento o permitir… Belíssimo o poema, Piedade!
Uma boa semana.
Um beijo.

segunda-feira, 02 julho, 2018  
Blogger Ana Freire disse...

O que dizer? Um perfeito hat trick, nesta minha incursão de hoje, por aqui... já anotando também!... :-D
Maravilhosa, esta bela e nostálgica divagação... com sabor a mar... e a amar...
Muito parabéns, Piedade!...
Pura e plena inspiração, no seu melhor!...
Beijinhos
Ana

sábado, 14 julho, 2018  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial