terça-feira, 1 de março de 2016

Não sei porquê


Peter Brownz Braunschmid
Não sei porquê, no outro dia
não te falei dos sonhos que ficaram derramados,
quando a porta se fechou.


Não gritei a ternura desprotegida que descambou,
estrangulada, nos dias cativos.
Talvez foi o vento, que enxugou  a lágrima que se concebeu,
quando a tarde tombou na cidade,
e o tempo  se esvaiu numa espera escusada.
E o relógio prendeu-se em noites,
de horas tresmalhadas.
O frio inquieto e sagaz molda-nos,
o corpo e a vontade,
apenas ficam os gestos.
E as mãos esquecem pousadas,
no fundo dos bolsos frios.
Talvez no outro dia,
talvez, o tempo escoou para dentro,
de outro tempo.
Outro tempo, talvez, que não era o nosso
ou será que era?
©Piedade Araújo Sol  2016-02-29

23 Comentários:

Blogger Luis Eme disse...

Fica a dúvida, dentro do poema. :)

abraço Piedade

segunda-feira, 29 fevereiro, 2016  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Maravilhoso poema, como sempre!
Gostei muito

Beijos de boa noite

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

segunda-feira, 29 fevereiro, 2016  
Blogger deep disse...

Nem sempre sabemos por deixamos de dizer as coisas, porque deixamos de executar certos gestos. :)

Belo, Piedade.

Bj

terça-feira, 01 março, 2016  
Blogger Agostinho disse...

Carpinteiraste um poema com duas madres-traves - talvez e tempo - onde assentaste a tua lírica apaixonada. Boa.

No talvez jaz uma dualidade:
a dúvida e a possibilidade.
Não podem é as mãos ficar,
inertes, nos bolsos. A voracidade
do tempo não se compadece
perante semáforos ou cidade
lapsos lapsos negros na vida
acumulação de dias na idade.

Bj, grato.

terça-feira, 01 março, 2016  
Blogger Ana Freire disse...

Desencontros de almas... talvez porque não fosse o tempo certo... ainda... pois o futuro, sempre nos reserva um universo de infinitas possibilidades...
Um poema maravilhoso... com a sensibilidade a transparecer em cada palavra...
Adorei! Beijinhos!
Ana

terça-feira, 01 março, 2016  
Blogger Evandro L. Mezadri disse...

Bela obra, Piedade!
É sempre prazeroso visitar seu nobre espaço!
Grande abraço, sucesso e ótima semana!

terça-feira, 01 março, 2016  
Blogger Elvira Carvalho disse...

Sanemos muito pouco dos sentimentos que nos cortam a vontade e nos impedem de fazer o que deveríamos ter feito.
Gostei do poema.´
Um abraço

terça-feira, 01 março, 2016  
Blogger Marta Vinhais disse...

Um poema feito de silêncios... De vazios...
Esquecido na noite...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 01 março, 2016  
Blogger ONG ALERTA disse...

Que lindo!!!! Bjbj Lisette.

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger Suzete Brainer disse...

O sentir caminha no seu tempo,
às vezes até é eterno diante da
dimensão vivida e a razão ocupa
um espaço que nem sempre
acompanha o sentir!...
Muito belo o teu Poema e
a imagem que acompanha,Piedade!!
Beijo.

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger MARILENE disse...

Você expõe o sentir de uma forma mágica, Piedade. Por vezes, visual. Nem sempre o silêncio diz o que exige palavras. E as interrogações que ficam não são respondidas pelos vazios. Lindo! Bjs.

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger Majo disse...

~~~
Tão belo, como emocionante!

Como entristecem,

ferem e doem estas oportunidades perdidas!

Grata pelos excelentes momentos de leitura

da tua admirável poesia lírica...

~~~ Beijinhos, querida amiga. ~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger O Árabe disse...

Belo e cheio de verdades, Piedade! Quando a porta se fecha, muitos são os sonhos derramados... e muitas são as vezes em que só depois que o tempo passa, percebemos que era o nosso tempo. Obrigado, bom resto de semana.

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger Rafeiro Perfumado disse...

Fechar uma porta é sempre um risco, pode impedir os sonhos de entrarem.

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger Mar Arável disse...

Na memória só ficam os gestos

quarta-feira, 02 março, 2016  
Blogger Graça Pires disse...

O tempo a escoar por dentro do tempo. Uma ideia fantástica sobre o que a vida nos traz e leva e torna a trazer. Depois resta a lembrança e o poema. Muito belo, minha amiga!
Um beijo, Piedade.

quinta-feira, 03 março, 2016  
Blogger manuela barroso disse...

Gestos que o tempo leva mas também tempo que pode fazer com que gestos se repitam.
Belíssima poesia!
beijinho, Pi. :)

quinta-feira, 03 março, 2016  
Blogger Maria Rodrigues disse...

Um sentir pleno de nostalgia, sonho, alguma dor e saudade.
Belissímo poema
Beijinhos
Maria

sábado, 05 março, 2016  
Blogger AC disse...

Incertezas bordadas em tão bela tela que... quase apetece ficar na incerteza.
Mais um belo poema, Piedade!´

Um beijinho :)

sábado, 05 março, 2016  
Blogger DE-PROPOSITO disse...

Um poema interessante !
Os sonhos que se foram, e o tempo que foi, o tempo dos sonhos.

Abraço
MANUEL

segunda-feira, 07 março, 2016  
Blogger Jaime Portela disse...

Tantas vezes temos a dúvida se determinado tempo é nosso ou não. Mas, na dúvida, o melhor é pensar que é mesmo nosso.
Magnífico poema, gostei imenso, sem qualquer dúvida...
Boa semana, querida amiga Piedade.
Beijo.

segunda-feira, 07 março, 2016  
Blogger manuela baptista disse...

foi o vento

e se as mãos esquecem também aquecem, no fundo dos bolsos quentes

um abraço, Senhora de muitos bolsos

segunda-feira, 07 março, 2016  
Blogger rosa-branca disse...

Tem-se muitas vezes a sensação de viver num tempo que não o nosso. Este poema diz-me taaaaanto! Adorei Pi. Beijos com carinho

sábado, 26 março, 2016  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial