terça-feira, 3 de maio de 2011

este silêncio


Este silêncio moribundo
Entranhado na triste condição de ser mortal

Nas entrelinhas da tarde que antecede a noite
Leio o abraço nostálgico das sombras
Em centelhas de saudade
Na ilusão que arquitectamos no toque dos dedos
Enlaçada no tempo
Que julgávamos imperecível

Lá fora há luz e confiança
Há a Primavera imperturbável
No olhar das crianças
Que corre devagar
No declínio das memórias dos dias findos.
.
Foto: woreczek82

18 Comentários:

Blogger Isamar disse...

Este silêncio moribundo envolve-nos num momento muito complicado, difícil de sanar mas não impossível. Não deixemos, portanto, que as sombras negras que sobre nós páiram atinjam o olhar das crianças que deve ter sempre as cores do arco-íris.

Beijinhos

Bem-hajas!

terça-feira, 03 maio, 2011  
Blogger mfc disse...

Então vamos até lá onde essas crianças brincam... e brinquemos também!

terça-feira, 03 maio, 2011  
Blogger Constantino, Guardador de Vacas disse...

Vamos lá para fora?

(como sempre um lindo poema muito bem ilustrado)

terça-feira, 03 maio, 2011  
Blogger Cristina Fernandes disse...

O mundo pode ser mágico no silêncio eclodido no olhar duma criança... talvez, em cada um de nós...
Bjs
Chris

terça-feira, 03 maio, 2011  
Blogger Nilson Barcelli disse...

Quando dentro de nós é o silêncio e as sombras que imperam, é boa ideia abrir as janelas e ver a Primavera que há lá fora.
Excelente poema, gostei imenso.
Beijos.

terça-feira, 03 maio, 2011  
Blogger Luis Eme disse...

sim, vamos até lá fora, vale a pena, quanto mais não seja pelo olhar e sorriso das crianças...

beijos Piedade

terça-feira, 03 maio, 2011  
Blogger Marta disse...

Vamos brincar com as crianças e rir com elas...
O silêncio pesado magoa-nos....
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Blogger heretico disse...

poema nostalgico. presioneiro da saudade que o alimenta.

e belo. como sempre. aqui

beijos

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Blogger Fa menor disse...

Essa palavra nostalgia que tantas vezes nos embala o dia...


Bjins

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Blogger Graça Pires disse...

Um silêncio que diz tudo...
Um beijo.

sexta-feira, 06 maio, 2011  
Blogger manuela baptista disse...

o silêncio
é o ruído a morrer


bonito o seu toque dos dias findos!


um beijo, Piedade

manuela

sexta-feira, 06 maio, 2011  
Blogger carlos pereira disse...

Querida amiga, Poetisa Pi;
LINDO poema, cheio de magia.
Gostei bastante.
Um beijo.

sábado, 07 maio, 2011  
Blogger AC disse...

As memórias podem ser pó, mas também poderão ser centelha. Talvez assim o findar dos dias seja apenas a pausa necessária...

Beijo :)

sábado, 07 maio, 2011  
Blogger Eduardo Aleixo disse...

...e as crianças brincam
simplesmente,
correm as águas.....
indiferentes...
" Vem sentar-te comigo, Lídia , à beira do rio..."
Tudo é sem gramática e alfabetos.
Como se fora de nós
outro mundo existisse,
aí, onde a primavera é primavera
e o inverno é inverno,
e os patos deslisam nas águas lisas
alheios ao dentro das nossas mágoas
reflexos
ecos
conflitos
sombras que durante o tempo que levam a dissipar-se
não vemos, longe das crianças das águas da primavera e dos patos,
que vamos sendo engolidos
pelo tempo...

sábado, 07 maio, 2011  
Blogger Anderson Fabiano disse...

... e mais um dia se foi.

Seus segredos, os mistérios que não vimos, seus cheiros e formas, agora são ontem.

...e hoje, vai começar tudo de novo.

Meu carinho,
Anderson Fabiano

sábado, 07 maio, 2011  
Blogger rouxinol de Bernardim disse...

Já há muito que aqui não vinha e as saudades são justificadas...

Esta poesia enche-nos a alma...

domingo, 08 maio, 2011  
Blogger Filoxera disse...

Nostalgia primaveril...
Beijos.

segunda-feira, 09 maio, 2011  
Blogger tb disse...

Há silêncios assim que gritam!
beijinhos, Pi

quarta-feira, 18 maio, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial