terça-feira, 29 de maio de 2018

Apontamento


Anna O. Photography

Estendeu os dedos sobre a madeira tosca
Da secretária

Tudo o que podia dizer cabia apenas num gesto
Ou quem sabe num simples olhar
Mas o olhar sente momentos que não são se exprimem
E os gestos ficam aquém das palavras e das emoções

Não me questionem esta habilidade de sentir ou viver
Ou ainda a de  ouvir o choro __________calado
Quando assim tem que ser.

Calado.  E  ________ breve
Fundamentalmente.

Para que não lampejem sombras nos olhos
Nem se prolongue desconforto
Ou apenas mágoa ______ consternação.

E oiço a aragem na janela entreaberta
E o vento na pele e não o vejo
E ficam apenas réstias de tempo

Ausentes_______
Ausentes de mim, porque hoje não quero
Libertar a inquietação dos dias incolores.

Estendeu os dedos sobre a madeira tosca
Da secretária_______e imaginou flores
Entranhadas nas mãos cheias de memórias.

©Piedade  Araújo Sol 2018/05/28

15 Comentários:

Blogger Rogerio G. V. Pereira disse...

A coisa que nos poetas mais invejo
nem é o verbo, o verso
mas essa capacidade poética
de passar ao lado do que
oiço, leio, vejo

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Toninho disse...

Imaginou coisas de amor, e as flores proliferam em suas mãos muito alem da fria tabua.
Beleza de inspiração Piedade que inspira na leveza.
Semana feliz amiga.
Beijo

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Larissa Santos disse...

Bom dia Piedade. Poema lindo demais. Parabéns. :))

Hoje:- Fim de tarde, de amor contagiante .

Bjos
Votos de uma óptima Terça-Feira.

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Agostinho disse...

Um poema atravessado de sentimentos de saudade e dor.
Uma janela abre-se de par em par, e
no mesmo tempo velada, é atravessada por um sopro de saudade e esperança: silenciosa a lembrança das flores!
Mas, por muito esforço, os silêncios
mesmo que breves na contenção das emoçoes, são reveladores: a traição sincera dos olhos diz, em sinais de morse - brilho, imobilidade, humidade, pestanejo - o que vai no coração.
Assim se expressa a Poeta que guarda nas mãos a essência da flor e da dor, delicadamente, em réstias que nos iluminam: beijos de Sol.

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Bom dia Piedade!
Parabéns pelo magistral poema!!

Beijo e um excelente dia!

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Teresa Durães disse...

Perfume de flores a recordar

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Ricardo- águialivre disse...

Poeticamente maravilhoso.
.
Pensamentos Vadios
.
Deixando cumprimentos.

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Marta Vinhais disse...

Abre-se a janela... há memórias que acordam...
Que lindo...
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Fá menor disse...

Belíssimo!

Flores. Quando não se podem ter, imaginem-se. E mundo florirá em nós.

Beijinhos, amiga!

terça-feira, 29 maio, 2018  
Blogger Os olhares da Gracinha! disse...

Num gesto diz-se tudo ... na poesia diz-se muito!
Gostei de ler ... bj

quarta-feira, 30 maio, 2018  
Blogger Ana Freire disse...

Nostalgia e introspecção, brilhantemente traduzidos em palavras... e na imagem escolhida...
Um todo perfeito... para apreciar, e reapreciar!...
Beijinho! Bom feriado!
Ana

quinta-feira, 31 maio, 2018  
Blogger Elvira Carvalho disse...

Mais uma vez nos brinda com um excelente poema.
Um abraço e bom fim-de-semana

sábado, 02 junho, 2018  
Blogger Jaime Portela disse...

Magnífico poema.
Parabéns pela criatividade/inspiração.
Bom fim de semana, amiga Piedade.
Beijo.

sábado, 02 junho, 2018  
Blogger manuela barroso disse...

A nostalgia do Tempo e laivos de saudade e inquietação num poema belo, P.
Beijinho

sábado, 02 junho, 2018  
Blogger Graça Pires disse...

Imaginar flores entranhadas nas mãos cheias de memórias. Tão belo, Piedade! Tão a lembrar-nos que o olhar e o gesto cabem no seu poema!
Uma boa semana.
Um beijo.

segunda-feira, 04 junho, 2018  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial