terça-feira, 17 de abril de 2018

Eu escrevo insónia

omar ortiz
Dizias que eu, quando me sentia triste, ia para casa
e escrevia um poema.
.
Mas eu faço poemas mesmo quando não estou triste,
escrevo apenas palavras que brotam de mim
e que ficam ali no papel,
apenas isso. Amanhã, nem eu própria nem ninguém
se lembrará mais delas, das palavras.
.
Eu escrevo insónia e ninguém entende.
E não há motivo aparente para entender.
E se me apetece ligar para ti, não o faço
porque não tenho nada para te dizer,
era só para ouvir a tua voz, mas tu nem irias atender,
porque estás atulhado em trabalho e eu sei que
é verdade, sei, mas não sei se sei aquilo que penso que sei,
porque eu escrevo insónia, e é só uma palavra.
.
Todas as noites antes de adormecer eu escrevo um SMS,
mas não te envio. Leio e depois apago.
Eu sei que tu dirias que não tinhas tempo de ler
E que isso são coisas de putos
E eu volto a escrever insónia.
.
Ninguém sabe que a noite pode não ser igual para todos,
pode ser terrível
de onde saem todos os espectros que nos assolam e
nos transmitem medo.
.
Eu escrevo medo e ninguém tem medo.
Ninguém tem medo do meu medo.
Ninguém quer saber a cor do medo e afinal sou só eu
que tenho medo,
que desfio as cores complicadas que ele emite.

E de que serve escrever insónia?!
Ninguém se lembra…
Ninguém tem medo das palavras que não mostro…

© Piedade Araújo Sol 2012-10-17
(reeditado)

14 Comentários:

Blogger Pedro Luso disse...

Olá, Piedade!
A poesia tem mesmo um pacto com a noite. É o momento de ela se fazer presente. Parceira do poeta, musa feita de breu. Parabéns, poetisa, pelo belíssimo poema.
Uma ótima semana.
Beijo.
Pedro

terça-feira, 17 abril, 2018  
Blogger Larissa Santos disse...

Poema adorável. Parabéns :))


Hoje:- {Poetizando e Encantando} Se chegares, amar-me-ás eternamente.

Bjos
Votos de uma Óptima Terça-Feira.

terça-feira, 17 abril, 2018  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Boa tarde, Piedade!

Um poema soberbo. Parabéns!!

Beijos e um dia feliz.

terça-feira, 17 abril, 2018  
Blogger Agostinho disse...

Boa tarde está,
e à noite como será?

Pode a insónia ser bem dita,
sentida, pensada, escrita,
e ser poema que se vê e não vê,
- em oposição - o que ficou por dizer,
por sentir, por pensar, por escrever,
acabado em sonhos acordados,
desencontrados na impossibilidade
de acordo na palavra comum.

Será melhor o poema por dizer?
imaginado ou não,
não é a questão:
é aquilo que é ou não.

Gostei do teu trabalho.
Bjs

terça-feira, 17 abril, 2018  
Blogger Ricardo- águialivre disse...

O poema é de uma beleza invulgar, reconheço. Mas a foto, meu Santo Deus, a foto, é divina.
.
Poema: "" Romantismo, a voz da fina cicatriz “”
.
Votos de um dia feliz..

terça-feira, 17 abril, 2018  
Blogger Roselia Bezerra disse...

Olá, querida amiga Piedade!
Lindo modo de escrever e viva a literatura moderna que nos presenteia com um poema assim tão belo!
Gostei do conteúdo de cada verso e da foto que o encabeça... representa, para mim, um estado de alma... um modo de estar...
Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
Bjm de paz e bem

terça-feira, 17 abril, 2018  
Blogger Rogerio G. V. Pereira disse...

Insónia
In_Sónia
Medo?

Porquê?
Se Sónia
soa
a anjo!

quarta-feira, 18 abril, 2018  
Blogger Marta Vinhais disse...

A noite pode ser muito solitária, muito pesada... todos os medos aparecem...
E nenhuma palavra é só uma palavra... é muito mais do que isso..
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

quarta-feira, 18 abril, 2018  
Blogger Elvira Carvalho disse...

Um poema inquietante, Piedade.
Que espero seja apenas fruto da sua prodigiosa inspiração poética. Porque ele parece retratar uma época da minha vida há mais de 40 anos. Que não desejo a ninguém.
Abraço

quarta-feira, 18 abril, 2018  
Blogger Smareis disse...

Boa noite Piedade!
Um poema muito bonito. A foto é divina.
As telas de Omar Ortiz se parece uma fotografia e só percebemos que se trata de um quadro quando o observamos de uma distância mais próxima. Eu adoro o trabalho dele.
Boa semana!
Beijos!

quarta-feira, 18 abril, 2018  
Blogger Jaime Portela disse...

Só existem as palavras que se mostram...
O poema é magnífico, parabéns por tanto talento.
Continuação de boa semana, amiga Piedade.
Beijo.

quinta-feira, 19 abril, 2018  
Blogger Gil António disse...

Poema maravilhoso. Uma doçura de leitura. Fiquei fascinado.
A foto é magistral.
.
* Criança brincando ... em interno lamento. *
.
Cumprimentos poéticos.

sexta-feira, 20 abril, 2018  
Blogger José Carlos Sant Anna disse...

Pode-se poetizar tudo. E alegoricamente pode-se muito mais. Este intenso diálogo com o silêncio do Outro é de uma profundidade desafiadora e acaba por legar uma página rica de lirismo e delicadeza...
Gosto dessa representação... deste modo de tocar uma realidade tão subjacente!
Beijinhos,

sábado, 21 abril, 2018  
Blogger Maria João Brito de Sousa disse...

Eu, que não sou mulher de grandes, nem frequentes medos (a não ser os constantes, os das contas que não podem ser pagas...), pude sentir o seu medo, Piedade.


Um beijinho

sábado, 21 abril, 2018  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial