terça-feira, 21 de novembro de 2017

O Poema

Damian Drewniak

O poema pode nascer nos teus olhos, sem que tivesses feito nada por isso.
Um sorriso apenas e o poema salta para o papel, voa e ganha asas pelas planícies de um lugar em silêncio na retina dos teus olhos.
Galga fronteiras como se fosse um cavalo alado, a galopar nas asas secretas da tua imaginação prenhe de acasos.
O poema nasce em ti e nos dedos esquivos, que se tornam dóceis que escrevem palavras que dedilhas como se fossem renda de bilros que um dia viste nas cortinas da casa da tua avó.
Sabes que um dia os lançaras ao fogo e que serão devorados pelas chamas sequiosas, como se fossem elas, abutres em redor de carne putrefacta.
Um dia apenas a memória tecerá em ti memórias (outras) de um poema que ninguém leu e que o fogo devorou.
Um dia que pode ser já hoje!
.
© Piedade Araújo Sol 2012-05-15

18 Comentários:

Blogger Luis Eme disse...

O poema, a memória, a palavra...

abraço Piedade

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Gil António disse...

Bom dia

A poesia é simplesmente um ESTADO DE ALMA. Depende do momento, da inspiração, da força mental de um sentimento
.
{ Hoje: Mãos trémulas, enrugadas, onde deixo o meu agradecido beijo.}
.
Deixando um abraço
.


terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Fantástico texto. Amei de verdade!!


Beijinhos e um dia feliz

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Marta Vinhais disse...

O poema nasce em nós... nas palavras que escrevemos na pele e sentimos na alma...
Que lindo...
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Os olhares da Gracinha! disse...

O poema não nasce facilmente mas quando a inspiração chega ... ele flui e nos surpreende quase sempre!bj

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Franziska disse...

Siento que un poema que comenzó lleno de amor y de optimismo se encuentre con la derrota que imagina se producirá al final. Interesante de verdad. Saludos muy afectuosos y cordales.

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger José Carlos Sant Anna disse...

Belíssima prosa impregnada de poesia, Piedade!
É isso! Basta um simples mergulho no tumulto do mundo e já se descobre a melodia das palavras. Basta sentir o compasso febril do coração. O alvoroço de um riso, ou mesmo uma mágoa. “Qualquer coisa dentro doida...”. É o que basta para impregnar os seus olhos com os mistérios das sombras... Tudo dentro dos olhos do poeta...
Beijinhos,

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Maria Rodrigues disse...

O poema nasce na alma do poeta e toca o coração de quem lê.
Maravilhoso poema.
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

terça-feira, 21 novembro, 2017  
Blogger Rogerio G. V. Pereira disse...

Um poema
que valha a pena
tem sina de ser lido
vale mais que um sorriso
e tem por destino
devorar o fogo

um dia que pode bem ser amanhã

quarta-feira, 22 novembro, 2017  
Blogger Larissa Santos disse...

Parabéns Poetisa. Bom dia


Hoje: "" O coração não mente, mas sente""

Bjos
Feliz Quarta-Feira

quarta-feira, 22 novembro, 2017  
Blogger Ana Freire disse...

Mais um poema maravilhoso, que tão bem expressa em palavras, o que pode despoletar um poema...
Grata por reeditar estes extraordinários trabalhos, Piedade!
No meu próximo post, estaria a pensar destacar um deles, lá no meu canto...
Algo em contrário... será só dizer-me, Piedade!
Beijinho! Continuação de uma boa semana!...
Lamento não estar a conseguir comentar atempadamente no seu outro blog, Piedade, ando com as visitas um pouco atrasadas, por estes dias, e ainda nas próximas semanas, por motivos de saúde de uma pessoa de família, que terei de acompanhar mais de perto...
Ana

quarta-feira, 22 novembro, 2017  
Blogger Agostinho disse...

Vou tentar de novo. Passei por aqui, não podia faltar, mas, pelo menos por duas vezes, o vento levou o comentário. Agora vou ter sorte? Isto da web tem dias...
Um poema não são os garatujos vertidos no horizonte virgem da folha. É na mão afeiçoada ao gesto, nos dedos que entrelaçam os fios passados e presentes que ele vive. Não importa os bilros bordados, efémeros, mas os bailados "nos teus olhos, o lugar do silêncio, o cavalo galgando fronteiras".
Quem lê? lê mas não vê a brasa nem a cinza, nunca o tráfego das sinápses ou o rubor do papel.
Gostei, muito.
Bj, Piedade.

quinta-feira, 23 novembro, 2017  
Blogger Cadinho RoCo disse...

Dos poemas, sutis revelações.
Cadinho RoCo

quinta-feira, 23 novembro, 2017  
Blogger Jaime Portela disse...

Tudo tem o seu lado poético. Basta saber olhar...
Belas palavras, parabéns.
Bom resto de semana, amiga Piedade.
Beijo.

quinta-feira, 23 novembro, 2017  
Blogger Elvira Carvalho disse...

O poema que vive em nós, a memória dos sonhos feitos poesia, que moram em nós, descrito de uma forma sublime.
Um abraço e bom fim de semana

sexta-feira, 24 novembro, 2017  
Blogger Fá menor disse...

O poema da vida, que tantas vezes não sabemos saborear...

Belo!

Beijos.

sábado, 25 novembro, 2017  
Blogger Graça Pires disse...

O poema. A malha tecida das palavras. Escreve-se no silêncio. Ouve-se na escuridão... E lê-se aqui...
Uma boa semana, Piedade.
Um beijo.

segunda-feira, 27 novembro, 2017  
Blogger Louraini Christmann - Lola disse...

Ah, a poesia.
Sem ela
Eu eu não viveria....

abraço
Lola

segunda-feira, 27 novembro, 2017  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial