terça-feira, 15 de março de 2016

Trilhos


Karen Hollingsworth

Uma linha contínua________inteira,
fui por aí, perdida em encruzilhadas
em desnortes, que entoam o vento
numa canção de chuva.

Gotícula a gotícula, sobrou pouco,
muito pouco, apenas a vontade de viver.

Abraçar o mundo na suavidade,
de um voo de pássaro,
que migra para não ficar,
nem estar no mesmo lugar.

Há desassossegos assim,
do tamanho de um olhar imóvel.

E o destino é esculpido em sal,
em mel, e cor, e nas estrelas
onde a luz é prodigiosa.


©Piedade Araújo Sol  2016-03-12

28 Comentários:

Blogger Luis Eme disse...

Que poeta desassossegada.:)

abraço Piedade

segunda-feira, 14 março, 2016  
Blogger Cidália Ferreira disse...

Excelente poema, com partículas agridoces!
Adorei

Beijo de boa noite.

Coisas de Uma Vida 172

segunda-feira, 14 março, 2016  
Blogger Rogerio G. V. Pereira disse...

Diria, por mim

abraçar o mundo na suavidade,
de um pousar de pássaro

Há sossegos assim

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Elvira Carvalho disse...

O desassossego dos sentimentos contraditórios.
Um abraço

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Marta Vinhais disse...

Há momentos em que nada nos consola....
Mas depois reencontra-se as estrelas e escreve-se...
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Lucinalva disse...

Olá Piedade
Belo poema, desejo um belo dia.

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Agostinho disse...

"Há desassossegos assim
do tamanho de um olhar imóvel"!
Um espanto que se levanta na aparente contradição. Aí mora a essência do sentido poético. Parabéns, PAS.

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Rafeiro Perfumado disse...

Não acho que a vontade de viver seja coisa pouca, até acho que é o principal.

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Mar Arável disse...

Belo diálogo de pássaros

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger MARILENE disse...

"Um olhar imóvel" descreve, perfeitamente, o desassossego, mas a vontade de viver traduz algo imenso. Enquanto existir, as linhas descontínuas dos caminhos não permitirá que os abandonemos. Lindo!!! Bjs.

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger AC disse...

Ah, Piedade, que calcorrear em busca de sinais, de sentidos...!
Haverá recompensa? Claro, ela é o próprio percurso.
Muito belo!

Um beijinho :)

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Rita Sperchi disse...

Diga o que você pensa com esperança.
Pense no que você faz com fé.
Faça o que você deve fazer com amor!
Ana Carolina

Abraços com carinho!

└──●► *Rita!!

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Fábio Murilo disse...

A vida só vale pela emoção, pela intensidade. Uma dose cavalar de estímulos. Toma-la sofregamente como que bebe agua na hora da sede, como quem tem sede de viver. Belo, Sol. Beijos!

terça-feira, 15 março, 2016  
Blogger Pedro Luso disse...

Olá Piedade.
Gostei de seu poema. Um belo poema. Parabéns.
Abraços.

quarta-feira, 16 março, 2016  
Blogger O Árabe disse...

Sim, Piedade, há desassossegos assim. Mas a vontade de viver nos leva a esculpir o nosso destino, todos os dias, no sal, no mel, na cor, nas estrelas... e na poesia! Belo texto, bom resto de semana.

quarta-feira, 16 março, 2016  
Blogger Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

"...[Abraçar o mundo na suavidade
De um voo de pássaro,
Que migra para não ficar,
Nem estar no mesmo lugar.]..."
deixa de ser desassossego para se tornar num horizonte onde se pode repousar.
Magnífico Poema, Piedade.



Beijo
SOL

quinta-feira, 17 março, 2016  
Blogger Rita Freitas disse...

Olá Piedade, muito bonito este poema, aliás, como todos.
Beijinhos

quinta-feira, 17 março, 2016  
Blogger Julia Tigeleiro disse...

Encantei-me com este cantinho...

sexta-feira, 18 março, 2016  
Blogger Jaime Portela disse...

Um poema vibrante, com um final que surpreende (e bem).
Gostei imenso do poema, é excelente.
Bom fim de semana, querida amiga Piedade.
Beijo.

sexta-feira, 18 março, 2016  
Blogger Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Até onde vamos quando vemos o mar? Beijo

sexta-feira, 18 março, 2016  
Blogger Majo disse...

~~~
Todos nos reconhecemos

neste belíssimo e suave canto,

em que momentos de triste desalento

convidam-nos à evasão, buscando o sossego perdido.

A estrofe conclusiva, está magnífica.

~~~ Beijinhos, Poeta amiga. ~~~
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

sexta-feira, 18 março, 2016  
Blogger Ana Freire disse...

Uma lindíssima deambulação da alma... com um destino belo e doce... este seu poema, Piedade!
Maravilhoso, simplesmente!
Beijinhos! Bom fim de semana, também por aqui...
Ana

sexta-feira, 18 março, 2016  
Blogger José María Souza Costa disse...


Olá, bom dia, Piedade Araujo Sol.
Após um tempo ausente. Estou retornando com o blogue www.josemariacosta.com Aproveito para te convidar a vim em visita.
Te espero lá. Que tenhamos todos um fim de semana agradável.
Abraços

sábado, 19 março, 2016  
Blogger ONG ALERTA disse...

Destino esculpido por nós mesmos.... Lindo.
Bjbj Lisette.

segunda-feira, 21 março, 2016  
Blogger mixtu disse...

abraçar o mundo
num desassossego...
num olhar, num voo...
em cores aladas...
destinos cruzados em espelhos transparentes...

segunda-feira, 21 março, 2016  
Blogger Graça Pires disse...

"Há desassossegos assim"...
É por isso se entoa "o vento numa canção de chuva" e se seguem os pássaros migrantes, mesmo que o olhar esteja em sobressalto com a vida...
Um poema muito belo, Piedade.
Um beijo.

segunda-feira, 21 março, 2016  
Blogger manuela baptista disse...

o prodígio dos poemas

um abraço, Pi

sexta-feira, 25 março, 2016  
Blogger rosa-branca disse...

Pi, ás vezes só sobra mesmo a vontade de viver... Gostei do final iluminado. Beijos com carinho

sábado, 26 março, 2016  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial