terça-feira, 9 de setembro de 2014

Asas emprestadas

Rosie Hardy

Emprestaram-me estas asas,
não são minhas,
e não consigo adaptar-me com elas,
e não quero saber,
que são emprestadas,

que terei de as merecer
.
Vou sem velas nem direcção,
sinto-me a navegar sem mar,
onde apenas silêncios existem,
guiados pelo vento,
puros,
autênticos,
apenas ensaiando o voo dos pássaros.

Gotejam em mim pedaços,
de sombras,
que deambulam sem aviso,
sem sequer saberem de mim,
sem cores definidas e obscuras.
.
Não sei que fiz da outra que (antes) existia em mim
antes,
antes,
destas asas que me pesam,
e me desfocam a caminhada.

©Piedade Araújo Sol 2014-09-08

30 Comentários:

Blogger Agostinho disse...

Começa assim "As asas da menina"

Era uma vez uma menina com… não!: era uma vez é nas histórias da carochinha.
Uma menina com olhos… não! uma menina não: ela não é um ser indefinido, é a menina, bem definida e determinada.
...
A menina com olhos de amêndoa morava numa casa que não era sua, muito grande, de espessas paredes de pedra.
...
hajota

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Ricardo- águialivre disse...

Todos nós sonhamos ter umas asas e poder voar. Que nunca sonhou com tal?

Deixo cumprimentos

Querendo, visite(m)-me

http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger deep disse...

Todos temos, de vez em quando, direito a ter umas asas que, depois, nos sobram...

Bonito poema. Bj

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Luis Eme disse...

liberta-te. solta-te (das asas).

abraço Piedade

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Rogerio G. V. Pereira disse...

Fosse este um poema de reencontro
e as asas te levariam ao voo, mesmo sem ensaio dos voos dos pássaros

(de nada nos servem as asas se não sabemos o rumo)

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Marta Vinhais disse...

Há dias sem cor, pesados....
Queremos esquecer e voar com a brisa, leves e transparentes...
Lindo....
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Marta Vinhais disse...

Há dias sem cor, pesados....
Queremos esquecer e voar com a brisa, leves e transparentes...
Lindo....
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Andrea Liette disse...

Piedade,
Há uma intuição muito forte que te inspira quando fazes silêncio...

Beijo.

terça-feira, 09 setembro, 2014  
Blogger Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, poema significante e abrangente, voar no silencio ao sabor do vento (pensamento), é a reflexão necessária para mais tarde o concretizar inteligentemente com segurança.
Seus poemas mais tristes ou alegres são fantásticos.
AG
http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

quarta-feira, 10 setembro, 2014  
Blogger São disse...

Se as asas, estas asas emprestadas, te pesam, desfaz-te delas, porque podes voar sem elas através da tua poesia...

Abraço grande, Piedade :)


quarta-feira, 10 setembro, 2014  
Blogger Graça Pires disse...

O fascínio de voar vai dar-te outras asas para que subas tão alto que as sombras se dissipem...
Um belíssimo poema, Piedade.
Beijo.

quarta-feira, 10 setembro, 2014  
Blogger manuela baptista disse...

de uma forma ou de outra, todas as asas são-nos emprestadas

um dia voamos

um abraço, Piedade

quarta-feira, 10 setembro, 2014  
Blogger heretico disse...

"eu tinha umas asas brancas
asas que um anjo meu deu
quando me cansava da Terra
batias, voava ao Céu..."

A. Garrett

o teu poema é belíssimo.

beijo

quarta-feira, 10 setembro, 2014  
Blogger Daniel Aladiah disse...

Querida Pi
Também se aprende a sentir as asas...
Beijo
Daniel

quarta-feira, 10 setembro, 2014  
Blogger MARILENE disse...

Até sem asas podemos voar, mas precisamos entender os caminhos e fazer as escolhas acertadas. Sempre muito belos os seus escritos. Bjs.

quinta-feira, 11 setembro, 2014  
Blogger Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Quando as asas estão tão grandes que pelo seu peso impedem o próprio voo, a melhor maneira de voar poderá ser tirá-las...

bjo amigo

quinta-feira, 11 setembro, 2014  
Blogger Armando Sena disse...

Deixem-me voar nos limites do sonho até onde não haja sinal do acordar.
bj

quinta-feira, 11 setembro, 2014  
Blogger Vieira Calado disse...

Eu tinha umas asas brancas
asas que um anjo me deu
quando eu cansava da terra
batia-as voava ao céu
Almeida Garrett
Saudações poéticas!

sábado, 13 setembro, 2014  
Blogger ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Às vezes as palavras
se escondem em nossas vidas.
Então,
saímos em busca de inspiração
nos lugares onde a amizade
se faz preciosa,
(lugares como este)
pois são os amigos
que guardam as melhores
palavras de nossa vida,
para nos devolver e inspirar
quando estivermos distantes
de nós mesmos...

Obrigado por sua generosa amizade...

sábado, 13 setembro, 2014  
Blogger Pedrasnuas disse...

Se as asas não são à nossa medida, o melhor é desfazer-se delas ...há sonhos tortos, caminhos que por muito apelativos que sejam não são para nós...também é verdade que é preciso ter um objectivo traçado....saber para onde se vai...
Beijo
PN

sábado, 13 setembro, 2014  
Blogger ॐ Shirley ॐ disse...

Com essas asas, ouse novos voos, cada vez mais altos e, certamente, encontrará muitos momentos felizes.
Muito bonito,Piedade, beijos!

domingo, 14 setembro, 2014  
Blogger SOL da Esteva disse...

Se os sonhos não te servem para voar, então terás de repensar o que te faz (fazia) voar. Se tens, na Alma, paredes que não te dão espaço livre, sentes estar numa prisão. Prisão é lugar de sofrimento e a tua liberdade é coartada.
As asas do sonho, terão de ser nossas.
Muita mágoa. Muita dor. Lamento.



Beijos


SOL

domingo, 14 setembro, 2014  
Blogger Evanir disse...

Brancas asas a voar
como a Gaivota diante do mar Azul.
Belíssimo poema ,
que adoraria posar.
Uma feliz semana beijos.
Evanir.

domingo, 14 setembro, 2014  
Blogger mfc disse...

Precisamos sempre de asas... e precisamos de as usar!
Belo...

Beijos

domingo, 14 setembro, 2014  
Blogger Ana Tapadas disse...

...mas essas asas hão-de levar-te a novos voos!

Belo poema.

beijo

domingo, 14 setembro, 2014  
Blogger O Árabe disse...

Este, Piedade, talvez seja o objetivo da caminhada: ensinar-nos a usar as nossas asas! Belo texto, boa semana.

segunda-feira, 15 setembro, 2014  
Blogger DE-PROPOSITO disse...

Não é bom voar com as asas dos outros. No entanto, em poesia tudo é possível.
---
Felicidades
MANUEL

segunda-feira, 15 setembro, 2014  
Blogger Gaby Soncini disse...

Quando não sabemos usar as asas, elas se tornam um peso nas costas pelo mau uso.

Beijos.

segunda-feira, 15 setembro, 2014  
Blogger Suzete Brainer disse...

As asas são também o voo das

palavras com a essência da

poesia libertadora...

Sempre bela a tua poesia!

Uma semana luminosa com

asas inspiradoras. Bjo.

terça-feira, 16 setembro, 2014  
Blogger Henrique Caldeira dos Santos disse...

Pelo menos, por momentos, libertaste-te do peso das asas emprestadas e voaste com as tuas próprias asas, a tua poesia genial.

quarta-feira, 17 setembro, 2014  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial