terça-feira, 20 de novembro de 2012

As Palavras




As palavras – as minhas – nunca vão caber no poema que te faço.
Não existem palavras para que eu consiga preencher todos os espaços
desencontrados do poema
e ficar satisfeita, que está acabado e completo.
Nunca estará.

Por isso, os meus dedos ficam lassos e estendem-se sem intimidade

nas letras cheias de magia e luz, como os raios de sol,
sobre a areia quente
e por vezes molhada e fresca
como as vagas que a beijam suavemente ou agressivas.

E, da chuva que cai em grossas bátegas sobre a praça,
eu sinto o cheiro que gostava vindo do bosque cheio de segredos e ecos do vento,

vestígios de vida
de infância
de explosões de sentimentos.

As palavras faltam-me e, no entanto, deambulam
nuas e cheias de humidade das nuvens que se formam na saudade de mim,
sem saber como fico com os dedos sujos
de palavras que me queimam e que eu não quero revelar.

.
© Piedade Araújo Sol 2012-11-20

oleo tela2000 vino morais
http://vinoartes.blogspot.pt/

42 Comentários:

Blogger Luis Eme disse...

lindo.

beijinhos Pi

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Rita Freitas disse...

As palavras podem ser tão belas, como as que se lê por aqui.

Beijinhos

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger lis disse...

Oi Piedade
Um poema que recupera a intimidade das horas em que a saudade é maior que o silêncio.
... "e as palavras faltam-me..."
poderia ficar aqui lendo lendo bebendo da 'não palavra ' e sim do silêncio que nem sempre preenche todos os espaços.
muito lindo !
deixo abraços

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Everson Russo disse...

Muito belo,,,as palavras são nossas chances de demonstrar nossos sentimentos...sonhos...desejos e loucuras...beijos de bom dia pra ti amiga...

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger alp disse...

Muy buen dibujo..un beso desde Murcia...

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Marta disse...

Mas aqui nenhuma palavra faltou...
Abre a mente a sonhos, desejos e paixões...
Lindo...
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Braulio Pereira disse...

ho..paixâo
ávido de sede
minhas palavras sâo
um sorriso de quem te escreve


beijos e uma flor

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Laura Ferreira disse...

Lindo...

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Virgínia do Carmo disse...

É por isso que as palavras não se esgotam: porque nunca serão suficientes.

Muito lindo.

Beijinhos, Piedade

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Luis Almeida disse...

Belo Poema

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger manuela baptista disse...

e quando as nuvens as soltarem

eu quero apanhar uma delas, talvez poesia, talvez bosque

são das mais bonitas

um beijo, Pi

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Alexandra Carvalho disse...

Que bom é ler estas palavras.

Beijinhos

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger heretico disse...

as palavras são gazelas furtivas...

mas tu es exímia na arte de caçadora (de palavras)...

beijos

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Isa Lisboa disse...

As palavras parecem sempre muitas para caber num poema apenas e poucas para dizer tudo o que se sente... Mas acabam por ser na medida certa, especialmente quando são juntas num pedaço de poesia, lindo, assim como este!

Beijo

terça-feira, 20 novembro, 2012  
Blogger Rogério Pereira disse...

Sabes?
(sei que sabes)
Há palavras
Há versos
Há poemas
Que, por tão límpidos,
Lavam melhor
Que a água
As palavras que queimam

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Everson Russo disse...

Uma linda terça feira pra ti minha amiga,,,paz, poesias e muitas flores...beijos e beijos...

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger MARILENE disse...

Essa tela do Vino é linda!
É tão grande o poder das palavras que nem sempre as conseguimos escrever. Ficam no silêncio dos velados sentimentos.
Muito belo! Bjs.

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Braulio Pereira disse...

adoro teu sorriso.
nâo ha nada melhor que uma boa. gargalhada.

sempre me lês . estás sempre perto de mim

pétalas na tua mâo um pouco de essencia cheirinho a alecrim

dia feliz


beijos.


feliz dia

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Lídia Borges disse...


Costumo dizer que o meu poema mais belo é aquele que nunca escreverei.

Encontrei alguns pontos coincidentes, aqui.

Um beijo

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Mar Arável disse...

São seres vivos

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Nilson Barcelli disse...

Há palavras que nos queimam, na verdade...
Magnífico poema, Piedade. Gostei imenso.
Beijo, querida amiga.

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Gaby Soncini disse...

Um poema impregnado de saudade que o coração não queria.

Lindo!

Essa música que toca de fundo é linda demais Piedade, o som da harpa, os pássaros, como se chama?

Beijos!

quarta-feira, 21 novembro, 2012  
Blogger Ana Mestre disse...

Não é preciso dizer mais nada perante tanta palavra bela!

Beijos Sol

quinta-feira, 22 novembro, 2012  
Blogger S.o.l. disse...

Os sentimentos não cabem nas palavras, mas extravasam através delas.

Muito bonito Piedade!

quinta-feira, 22 novembro, 2012  
Blogger sérgio figueiredo disse...

as palavras são como um oceano com o escrever das suas ondas.
elas se revelam de grandes dizeres e "desabafam" no seu rebentar... mas outras há que se lhes seguem fazendo a sintonia de um expressar que não tem fim...
"nunca vão caber no poema..." que são.

até

quinta-feira, 22 novembro, 2012  
Blogger SOL da Esteva disse...

As Palavras, como os Sentimentos, podem desdobrar-se em exposições magníficas, mas ficam muito aquém da experiência de quem as profere.
Daí,afirmares: "[...]as palavras faltam-me[...].


Beijos


SOL

quinta-feira, 22 novembro, 2012  
Blogger luna luna disse...

há palavras que queimam por dentro ainda assim vivemos com elas
beijinhos

quinta-feira, 22 novembro, 2012  
Anonymous Nivea disse...

Olá, Sol!
Nos poemas que ora tentamos criar, haverá sempre um espaço vacante.
Na busca em criar tentamos penetrar no reino das palavras, nestas tentativas a atenção flutua as toca e somos por elas enfeitiçadas, pois sabemos que as palavras quando bem aplicadas, convidam o observador a uma interação que liberta a imaginação e o sentimento.
Já revelaste. (rs)
As palavras deste poema semeiam retrospectiva, observe o silêncio que existe em volta delas, estão a desenhar o "ser" da autora.

Mui belo! Sabes transformar palavras em emoções.
Com amizade e admiração
N.

quinta-feira, 22 novembro, 2012  
Blogger Hanaé Pais disse...

A saudade da fragrância é a palavra.

sexta-feira, 23 novembro, 2012  
Blogger Smareis disse...

As palavras são como porção mágica quando elas se encontra, tudo se completa, tudo faz sentido.
Seu poema é maravilhoso.Você carrega nas pontas dos dedos a força das palavras...Adoro o que escreve.

A tela é linda!

Beijos e ótima semana!

sexta-feira, 23 novembro, 2012  
Blogger Sónia M. disse...

As palavras não se esgotam e são tantas as que queimam...
e é tanto o que nelas não cabe...

Um poema maravilhoso!

Beijo
Sónia

sexta-feira, 23 novembro, 2012  
Blogger Henrique Caldeira dos Santos disse...

Tu és poetisa! (Cumprimento e elogio.)
Gostei muito do poema, do trato para com as palavras e os sentimentos. Estou em comunhão com o poema (isto pode soar estranho!).
Beijinho

sexta-feira, 23 novembro, 2012  
Blogger Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

As tuas palavras vão eternizar-se no tempo...são a rua essência e o teu legado.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

sexta-feira, 23 novembro, 2012  
Blogger ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá

As palavras
são vidas
que nos habitam...

Que amar seja para ti
o objetivo de cada instante.

sexta-feira, 23 novembro, 2012  
Blogger O Profeta disse...

Tacteei minha sombra caída
Os ramos de uma magnólia cedem ao vento
Ergui num deserto um castelo de raivas
Segui numa distância infinita ladrilhada de mágoas

Já não posso dar-te a mão, cheguei tarde
Entre ruinas procuro o sentido, a razão
Já não canto aos deuses, não rezo
Já esqueci o sabor do desprezo, não desprezo

Tracei um círculo de solidão
Ausente do meu nome está o chamamento
Jazem mudas as folhas de silêncio
Errantes brumas ao sabor do vento

Bom fim de semana


Doce beijo

sábado, 24 novembro, 2012  
Blogger Joop Zand disse...

Wonderful work

Kisses, Joop

domingo, 25 novembro, 2012  
Blogger Magia da Inês disse...

♡¸.•°
Olá, amiga!
Muito lindo e inspirado como sempre.
Não se preocupe, você sabe o que fazer com as palavras, nós que lemos seus poemas, entendemos e apreciamos.

Boa semana!
Beijinhos do Brasil

✿ °•.¸♡¸.•°✿

domingo, 25 novembro, 2012  
Blogger Canto da Boca disse...

Talvez porque as palavras ainda sejam poucas para dizer do tanto sentimento que vai revelado no poema...

Beijos, Pi!

domingo, 25 novembro, 2012  
Blogger Manuel Luis disse...

Nunca são suficientes mas estas bastam-me!
Gosto da chuva, gosto do cheiro a terra molhada.
Bj de flores

domingo, 25 novembro, 2012  
Blogger pessoa nenhuma disse...

estas palavras doces, mas carragedas de alguma angustia, combinadas com a musica de funda transporta-nos para um além aprazivel.

domingo, 25 novembro, 2012  
Blogger Suelen Muniz disse...

Oi Piedade,
As palavras por mais que sejam ditas nunca são o tudo,elas ficam ali entre os caminhos da imaginação,entre linhas não escritas e emoções sentidas.

quarta-feira, 28 novembro, 2012  
Blogger MARILENE disse...

Hoje, ao receber a notícia do falecimento do Vino, fiquei a olhar suas telas, muitas das quais usei, com sua autorização, para ilustrar minhas postagens. Um amigo doce e generoso. Estou ainda sem acreditar e me lembrei, também, da que você usou, aqui. É tão triste saber que alguém partiu! Bjs.

quarta-feira, 02 janeiro, 2013  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial