quinta-feira, 11 de janeiro de 2007

lengalenga das tuas mãos


Eu podia pegar nas tuas mãos e dizer-te palavras bonitas e sei que elas já não significam nada.

Naquele outro tempo, eu pegava na tua mão e ela segurava a minha, assim, como se fossem as duas uma só.

E hoje as tuas mãos devem segurar outras que se encaixam nas tuas, como as minhas, um dia se encaixaram.

E eu podia escrever textos e cartas e até poemas, com palavras belas e cheia de ternura, mas eu não sei se alguma vez, o significado que eu lhe daria, seria compreendido por alguém.

E eu sei que a vida é bela, e não sei porque, às vezes, eu vejo a vida a passar e fico para aqui alheada dela.

Queria escrever que a felicidade é sentir que a solidão afinal pode ser compartilhada, e que as minhas mãos por vezes ainda sentem o calor das tuas, embora os meus dedos, já não se entrelaçam nos teus, e, penso que elas, as tuas mãos continuam macias e levam outras mãos a caminhar pelas palavras bonitas que eu podia dizer e que sei escrever e que talvez hoje já não significam nada...
(Foto :Paulo César)

6 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

EXCELENTE, Pi

HOJE, particularmente, HOJE eu poderia, deveria escrever este poema em prosa. Mas para tanto não chega a minha alma.

Obrigada, pelas palavras que eu gostaria fossem minhas.

Um beijo

sexta-feira, 12 janeiro, 2007  
Blogger Manel do Montado disse...

Pois é, concordo com o que a helena escreveu.
Este poema tem algo de perverso, pois só se torna belo para outros através da tradução de um teu sentimento que te é doloroso.
Essa dor das mãos que já não sentes, dão uma beleza sublime e agridoce ao poema. Parabéns.
Bj Piedade e fica bem

sábado, 13 janeiro, 2007  
Blogger DE PROPOSITO disse...

A vida é a vida e ninguém consegue se alhear da própria vida. O alheamento é sinal de que se deixou de viver.
Fica bem.
Manuel

domingo, 14 janeiro, 2007  
Blogger Amaral disse...

Hoje, o meu comentário é bem curto:
"Faz feliz a parte de Mim que és tu!", que talvez queira dizer: "Piedade, faz Deus feliz!"
No meu sítio, tentarei explicar!...

domingo, 14 janeiro, 2007  
Blogger Šonђo Ažu£ disse...

As palavras de hoje, amanhã não sabemos se terão o mesmo significado.
É das coisas que mais gosto de oferecer, as minhas palavras. Entrego-me nelas verdadeiramente, de corpo e alma e com o coração...

E sabes que quando se escreve com o coração (como tu e eu fazemos), essas palavras significam sempre alguma coisa, quer seja ontem, hoje ou amanhã!
E tu sabes isso muito bem.

Beijos

segunda-feira, 15 janeiro, 2007  
Blogger Paula Raposo disse...

Magnífico Piedade! Adorei.

segunda-feira, 12 fevereiro, 2007  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial