terça-feira, 29 de julho de 2014

Posso despir palavras




Posso despir palavras como as árvores
se despem no outono, na loucura deste 
tempo desencontrado em que todas as 
estações nos habitam.

Posso vestir palavras no conforto do lar,
rodeada de colorações com tintas luxuriantes
quentes ou pálidas conforme
o estado de espírito.

Posso usar palavras para exprimir
satisfação, dor ou revolta
e com elas marcar um ritmo de palavras
minhas e fazer um novo poema.

Mas, hoje só as palavras sofridas
me assistem.

E eu só queria dizer PAZ.

 ©Piedade Araújo Sol 2014-07-22